Información de la revista
Vol. 13. Núm. SC1.
Páginas 9283 (Agosto 1999)
Respuestas rápidas
Compartir
Compartir
Más opciones de artículo
Vol. 13. Núm. SC1.
Páginas 9283 (Agosto 1999)
Acceso a texto completo
INQUÉRITO SEROLÓGICO NUMA POPULAÇÃO DE RECRUTAS. DOSEAMENTOS DE ANTICORPOS CONTRA O SARAMPO, A PAPEIRA, O TÉTANO E A DIFTERIA
Visitas
1710
G. Gonçalves, H. Rebelo-de-Andrade, M A. Santos, A. Silva-Graça
Este artículo ha recibido
1710
Visitas
Información del artículo
Texto completo
Estadísticas
Texto completo

INQUÉRITO SEROLÓGICO NUMA POPULAÇÃO DE RECRUTAS. DOSEAMENTOS DE ANTICORPOS CONTRA O SARAMPO, A PAPEIRA, O TÉTANO E A DIFTERIA

G Gonçalves*, H Rebelo-de-Andrade, M A Santos, A Silva-Graça

Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, Portugal; Serviço de Doenças Infecciosas,

Hospital Militar de Belém, Lisboa, Portugal.

Antecedentes e objectivos:A vacina combinada contra o sarampo, a parotidite epidémica e a rubéola (VASPR), a vacina combinada contra a difteria, o tétano e a pertussis (DTP) e a vacina monovalente contra o tétano (T) (em adolescentes e adultos), fazem parte do Programa Nacional de Vacinação (PNV) Português. O ambiente militar tem a particularidade de concentrar no espaço e no tempo, indivíduos de muitas proveniências geográficas o que torna particularmente interessante a realização de estudos seroepidemiológicos em recrutas. Sarampo: em consequência da elevada cobertura vacinal em Portugal, a incidência da doença tem diminuido e a idade média de ocorrência tem aumentado; assim, em 1988/89, foram observados surtos em adolescentes (em escolas) e em militares. Parotidite epidémica (papeira): houve em Portugal, uma grande epidemia de papeira devida à ineficácia da estirpe vacinal Rubini, usada durante alguns anos. Tétano: a prevenção do tétano pós traumático em militares, pela vacinação, é um dos mais notáveis êxitos da medicina militar. Difteria: em Portugal, desde 1990 que já não se faz qualquer reforço vacinal depois dos 5-6 anos de idade; a ocorrência de surtos de difteria em países da Europa Oriental é preocupante e justifica a necessidade de efectuar estudos seroepidemiológicos. Este estudo foi realizado com a finalidade obter informações para fundamentar recomendações sobre vacinação de recrutas e da população em geral.

Métodos: Nos dias 14 e 15 de Julho de 1997, foram colhidas amostras de sangue venoso a 209 recrutas portugueses durante a inspecção médica de incorporação na Escola Prática de Infantaria. Todos deram o seu consentimento informado para participar no estudo. De entre os que foram vacinados contra o tétano (T), no dia da inspecção, 89 deram uma segunda amostra de sangue em 11 de Agosto de 1997. Usando técnicas comerciais de ELISA, foram doseados anticorpos (IgG) contra o sarampo (n=209), a parotidite epidémica (n=209) e a difteria (n=202), nos soros pré-vacinais. Os anticorpos (IgG) contra o tétano foram doseados nos soros pré-vacinais (n=89) e pós-vacinais (n=89) por ELISA. Níveis limiares de anticorpos, recomendados pelos fabricantes dos "kits" de ELISA foram usados para classificar os indivíduos estudados em "imunes" ou "susceptíveis" às diferentes doenças.

Resultados: Para o sarampo e parotidite epidémica, respectivamente 95,2% (IC 95%: 91,4-97,7) e 90,9% (IC 95%: 86,2-94,4) estavam "imunes". Para a difteria, 10,9% (IC 95%: 7,0-16,0) estavam "imunes", 68,8% (IC 95%: 61,9-75,1) apresentavam níveis de anticorpos baixos pelo que o fabricante do "kit" de ELISA recomendava a "imediata revacinação", e 20,3% (IC 95%: 15,0-26,5) tinham níveis tão baixos que era recomendado proceder à "imunização básica imediatamente". Apenas 3 recrutas estavam "susceptíveis" ao tétano antes de serem vacinados; todos ficaram "imunes" após a vacinação.

Conclusões: Os resultados deste estudo fundamentam a estratégia adoptada pelas autoridades médico-militares portuguesas de vacinar sistematicamente os recrutas contra a difteria e o tétano usando a vacina dupla Td. Não é necessário vaciná-los com a vacina tríplice vírica VASPR. Provavelmente, os resultados são extrapoláveis para a população geral.

Idiomas
Gaceta Sanitaria

Suscríbase a la newsletter

Opciones de artículo
Herramientas
es en

¿Es usted profesional sanitario apto para prescribir o dispensar medicamentos?

Are you a health professional able to prescribe or dispense drugs?

es en
Política de cookies Cookies policy
Utilizamos cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios y mostrarle publicidad relacionada con sus preferencias mediante el análisis de sus hábitos de navegación. Si continua navegando, consideramos que acepta su uso. Puede cambiar la configuración u obtener más información aquí. To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here.